Acesso exclusivo do aluno

Artigo detalhe

 

O Simbolismo nas Imagens de Narayana e Yoga Devi

por Profa. Margareth Gonçalves (Devidasika)
10/11/2005

Texto originalmente escrito por Edilene Lasmar de Faria, dasa do Suddha Dharma Mandalam.

Texto revisado por Margareth Gonçalves (DeviDasika, Instrutora e Ashramacharya  do Suddha Dharma Mandalam).

Sri Bhagavan Narayana
Na ciência da Suddha Dharma Mandalam se estabelece à existência de um excelso ser denominado Sri Bhagavan Narayana, que, em conjunto com uma plêiade (grupo de pessoas ilustres) de Anjos, Siddhas e Yogues que vivem em diferentes planos da matéria, dirige a evolução total de todos os seres existentes nos vários reinos da natureza. Esse Excelso Ser é quem envia ao plano deste mundo terrestre os Avataras, tais como foram Rama, Krishna, Buda, Cristo e outros. Para a clareza deste estudo temos de especificar três aplicações distintas da palavra Narayana, a qual tem três significados, segundo o que se deseja expressar.

A palavra Narayana pode significar o GOVERNADOR ou CONSCIÊNCIA DIRETRIZ DO UNIVERSO. Também pode indicar o HIERARCA DIRETOR DA EVOLUÇÃO DOS SERES QUE HABITAM UM PLANETA e, igualmente, pode designar a CONSCIÊNCIA DORETORA DE UM INDIVIDUO.

Em resumo, as três acepções principais da palavra NARAYANA:

O NARAYANA CÓSMICO ou CONSCIÊNCIA UNIVERSAL;

O NARAYANA DIRETOR de um planeta habitado;

O NARAYANA ou a CONSCIÊNCIA PESSOAL DIRETOR DE UM INDIVÍDUO.

A figura de Narayana  apresenta-se aqui com um aspecto andrógino, porque representa a consciência original que transcende  os opostos. Dele se originam Yoga-Devi, que é o aspecto feminino, os Kumaras, Dakshinamurti e Naradeva que representa o aspecto masculino.

TRONO
O trono como função universal de suporte da glória aqui, mais uma vez, simboliza a manifestação da grandeza divina de Narayana. Junto do trono temos a Yoga-Danda, que é o Bastão do Poder, este bastão é usado para transmitir poder espiritual nas consagrações e nas iniciações. Os tronos hindus são de várias naturezas: o PADMASANA, assento ou pedestal de lótus exprime a harmonia cósmica. O trono simboliza a manifestação universal  tomada no seu florescimento total, que encerra o equilíbrio e a harmonia; é o suporte da manifestação  gloriosa de Deus, da misericórdia e da beatitude. O trono divino encontra-se sobre a água, domina o conjunto das potencialidades cósmicas ou o oceano da substância primordial, o que nos faz lembrar o símbolo hindu e búdhico do lótus que floresce na superfície da água e que é, simultaneamente a imagem do universo e o assento da divindade revelada.  O trono simboliza também, o direito divino dos soberanos. Simboliza a pessoa que exerce o poder: uma decisão do trono atesta a presença contínua da autoridade e a sua origem divina..
 
AURA
Materializada em torno da cabeça e do corpo de Narayana, a aura simboliza glória para o Ser em sua totalidade, designando os seres solares, dotados de luz divina. È a manifestação dos corpos sutis de cada indivíduo, sendo comparada á uma espessa nuvem luminosa. Sua coloração é variada, de acordo com o nível de evolução da consciência. A luz é sempre um sinal divino de sacralização (comunhão, santificar a alma).

 

ADORNOS:

Coroa
Como adorno da parte mais nobre do ser, a coroa tem um significado simbólico de realçar a divindade. A coroa é considerada uma insígnia (emblema, um sinal) da elevação do espírito sobre o corpo.
 
OURO
O ouro, metal usado nos adornos, foi sempre considerado o mais nobre dos metais; é dúctil (moldável), fácil de polir, brilhante, resistente ao calor e à acidez, sendo por isso um símbolo de imutabilidade, eternidade e perfeição. Entre outras coisas, por causa de sua cor, é identificado em quase todos os lugares com o sol e com o fogo. Por essa razão, ele também é um símbolo do conhecimento (principalmente do esotérico), da perfeição absoluta, da iluminação e da imortalidade. Tem o brilho da luz, diz-se na Ìndia que é a luz mineral. Tem o caráter ígnio, solar e real, até mesmo divino.Os ícones de Buda são dourados, símbolo da iluminação e da perfeição absoluta. O fundo dos ícones das imagens budistas é dourado, reflexo da luz celeste. O ouro, dizem os Brâmanes é a imortalidade.
 
Pedras Preciosas
As pedras preciosas são o símbolo de uma transmutação do opaco  ao translúcido e em um sentido espiritual, da imperfeição à perfeição.
 
ESMERALDA -   Refreia  a  lascividade (luxúria), aumenta a memória.
RUBI -  Mantém boa saúde, protege e reconcilia.
PÉROLA - Simboliza a sublimação dos instintos, a espiritualização da matéria, a transfiguração dos elementos, o termo brilhante da evolução.
 
Por sua forma esférica e seu brilho inimitável, a pérola também é considerada um símbolo da perfeição. Em virtude de sua dureza e imutabilidade, simboliza a imortalidade.
 
Anel

O anel é o símbolo do poder, de domínio espiritual e material. Assim, o anel é o símbolo do saber e do poder.É  como uma aliança, um elo que marca um domínio espiritual e material.

Círculo
O círculo retrocede para si mesmo, sendo por isso um símbolo da unidade, do absoluto e da perfeição. Por ser linha infinita, simboliza o tempo e a infinitude. O disco  é um símbolo solar, também representando o ciclo da vida e da morte.
 
Colar

O colar simboliza a redução do múltiplo ao uno. Símbolo da unidade.

Japa-Mala
O  signifacado  geral da palavra é”corrente”, de qualquer espécie.

Usado na entoação dos Mantras(sons primordiais do universo, sílabas de supremo poder) . O som dos mantras harmonizam as vibrações da “aura”(campo magnético do corpo físico) e dos átomos físicos. Esse som representa  o Ekashara,  o som básico do ser vivente e que é necessário atualizar  para despertar os sentidos da alma.

Manto
O Manto indica a “pele protetora” dos veículos sutis. Tal pele isola o indivíduo das más vibrações que viajam pelos éteres. Símbolo da proteção. Livra das más influencias sutis, pensamentos ou sensações que viajam pelo espaço sem que o vejamos,  mas que nos trazem indesejáveis pensamentos e baixas sensações.
 
Posturas

Narayana está sentado na postura (ásana) ARDHA SIDDHASANA, também chamada de Meia Postura da Perfeição.

Esta postura tem como finalidade trazer disciplina  física e mental, além de preparar para a continuidade das práticas e de outras posturas.

DEDOS: em todas as épocas, sinais com os dedos  ou com as mãos  foram recursos de expressão psíquica(mente, espírito, alma) e espiritual.

MAÕS: é o símbolo da atividade, do poder e de dominação. A palavra manifestação tem a mesma raiz que Mão; manifesta-se aquilo que pode ser seguro ou alcançado pela mão.

BRAÇOS: são o símbolo da força e do poder. Diversas divindades hindus possuem mais de dois braços para exprimir sua onipotência.

Narayana está representado aqui, com quatro braços. Os braços exprimem sua onipotência.

Em uma de suas mãos Ele segura ou sustenta o planeta terra, o qual Ele governa e dirige.

A outra mão ilumina e irradia a luz do seu coração (Atma) a este planeta.

Na mão esquerda ao alto Ele segura uma concha  que simboliza o movimento na permanência. A forma helicoidal da concha do caracol constitui um pictograma(figura) universal da temporalidade, da permanência do ser  através das flutuações  da modificação. Por ter a forma de figura geométrica tão difundida na natureza, simboliza também, a evolução da vida. O som produzido por esta concha, é uma arma contra os demônios.

Na mão direita (ao alto), Ele traz um disco em torno de seu dedo.O disco, que por ser um círculo retrocede para si mesmo, sendo por isso um símbolo da unidade, do absoluto e da perfeição.

Por ser linha infinita simboliza o tempo e a infinitude.

 O disco é um símbolo solar, ele representa a tendência sáttwica (pura), volta explicitamente ao simbolismo do disco como arma, também, como sol. Destrói iluminando.

CORES

VERMELHO: simboliza Sri Yoga Devi  personificação da Shakti (energia)de Brahman, posto que fogo é o poder purificador e energizante principal nesta vida terrestre.

Cor do fogo e do sangue: como eles possui um significado simbólico ambivalente. No sentido positivo: cor da vida, do amor, da devoção , da fecundidade e da paixão fervorosa...no sentido negativo: cor da guerra, do poder destruidor do fogo, derramamento de sangue e do ódio.

ALARANJADO: o meio caminho entre o amarelo e o vermelho, o alaranjado é a mais actínia (elemento radioativo que emite radiação eletromagnética, de número atômico, resplandecente, radiante) das cores.(radiar significa resplandecer, emitir raios de luz ou calor).

Esta cor simboliza antes de tudo o ponto de equilíbrio entre o espírito  e a matéria.

DOURADO: (amarelo ouro) indica a inteligência, o despertar do sétimo chakra (sahasrara). O manto desta cor é utilizado nos estudos e conferencias.

O amarelo simboliza a essência divina, é a cor da eternidade, como o ouro é o metal da eternidade. O manto, cor do ouro e do sol, possui virtudes mágicas. Diz-se que a luz  do ouro torna-se, por vezes, um caminho de comunicação nos dois sentidos, um mediador entre os homens e  os deuses. O açafrão deve suas propriedades profiláticas ( prevenção de doenças)à sua cor.

AZUL: cor da sabedoria transcendental. denota devoção celestial. O azul é a mais profunda das cores. O azul é a mais imaterial das cores. A natureza o apresenta geralmente feito apenas de transparência, de vazio acumulado. O vazio é exato (vazio do ar, da água, do cristal, do diamante). O azul é a mais fria das cores, e em seu valor absoluto a mais pura  , a exceção do vazio total do branco neutro. Imaterial em si mesmo, o azul desmaterializa tudo aquilo que dele se impreguina. É o caminho do infinito, onde o real se transforma em imaginário. Impávido, indiferente, não estando em lugar nenhum a não ser em si mesmo, o azul sugere uma idéia de eternidade  tranqüila e altaneira, que é sobre humana. O Azul tem uma gravidade solene, supra  terrena.

 

CORES DO COLAR: (Branco, Rosa, Vermelho, Azul),

Branco: reúne todas as cores, simboliza Sri Bhagavan Narayana. Cor da luz, da pureza e perfeição. Associado ao absoluto, ao começo e ao fim e a união de ambos.

Rosa: dedicado a Sri Bhagavan Mitra Deva, a cor rosa simboliza a regeneração  e iniciação aos mistérios. Encontram-se estes dois elementos componentes da cor rosa: o vermelho e o branco, com seu valor simbólico tradicional, em todos os planos (  do profano ao sagrado) Simbolizando:  Devoção , Paixão,  Pureza , Amor transcendente e Sabedoria Divina.

 

 Sri Yoga Devi

O culto á Mãe é o culto de Deus como Mãe Divina,  ou   seja o aspecto feminino Dele mesmo.

Shakti é o poder  de Deus ou energia cósmica. Shakti é o aspecto energético do Ishwara ou seja Narayana.  Shakti é inerente a Deus. Assim como não se pode separar o calor do fogo, de igual modo não se separa a Shakti de Deus.

A eletricidade, o magnetismo, a força, o calor, a luz, os cinco elementos e suas  combinações são em sua totalidade, as manifestações externas da Shakti.

A inteligência, o discernimento, o poder psíquico e a vontade são suas manifestações internas.

Na  Fraternidade Universal, Yoga Devi representa a energia que unifica  toda a assembléia  dos Mahatmas, Siddhas,  Rishis e Yogues, tal como o fio que une as contas de um colar.

 

TRONO

Yoga –Devi está sentada em um trono chamado PADMÁSANA, assento de lótus.

A flor de lótus tem um papel simbólico e significativo. Visto que suas  flores fecham à noite, recolhendo-se para a água, e só voltam a desabrochar ao nascer  do sol, o lótus é um antigo símbolo da luz;  tudo nela tem um significado próprio: a haste representa que tudo na vida provém dela; a folha representa a terra fértil; a flor o colo materno;o botão a virgindade; as flores abertas o sol; a flor inteira é o símbolo da beleza, da felicidade e da eterna renovação.  A flor de lótus de 8 pétalas, é um símbolo de todos os pontos cardeais e, portanto, também um símbolo  da harmonia cósmica; neste sentido, é encontrada freqüentemente como símbolo da meditação.A “gema na flor de lótus” (mani padme) é o nirvana, já, latente no mundo.; ela pode ser branca, azul, rosa ou vermelha  que surge  em águas lamacentas;  o lótus é o símbolo da pureza que sobrepuja a impureza.

 A flor de lótus aberta é um símbolo da criação. A flor de lótus cor de rosa representa o emblema solar  .; a de mil pétalas simboliza a totalidade de todas as revelações espirituais. Geralmente este trono ou pedestal de lótus encontra-se sobre a água. Como massa uniforme indiferenciada, simboliza a infinitude de possibilidades ou os primórdios de todo devir, a matéria prima .Simboliza também a força de regenerescência e purificação física, psíquica e espiritual. Reservatório de energia. As águas trazem vida, força e pureza, tanto no plano espiritual quanto no físico.                                            

ÁGUA

Geralmente este trono ou pedestal escontra-se sobre a água.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          

Como massa uniforme indiferenciada, simboliza a infinitude  de possibilidades ou os primórdios de todo o devir, a matéria prima. Simboliza também a força de regenerescência e purificação física, psíquica e espiritual. Reservatório de energia.

As águas trazem vida, força e pureza, tanto no plano espiritual quanto no físico.

A água é a forma “substancial” da manifestação, a origem da vida e o elemento da regeneração corporal e espiritual, o símbolo da fertilidade, da pureza, da sabedoria, da graça e da virtude. A água é o instrumento da purificação ritual, esta tem um papel essencial. Na Índia e no Sudeste Asiático, é  costumeiro se fazer  abluções nas estátuas  já sacralizadas e também nos devotos.

 

LAGO

Simboliza as forças permanentes da criação. Os lagos (para muitos) são moradas dos Deuses. Os lagos são considerados também como palácios subterrâneos  de diamantes, jóias de cristais, de onde surgem seres divinos.

 

AURA

Yoga-Devi traz em torno de sua cabeça a aura ou a luz divina que rodeia os seres iluminados, simbolizando a sua glória.

 

ADORNOS

Coroa:

A coroa deYoga-Devi , traz a figura de uma concha. A concha, evocando as águas onde se forma, participa do simbolismo da fecundidade própria da água.

Também tem o ouro como metal; esta coroa é constituída de pedras preciosas: esmeralda, rubi e muitas pérolas. De maneira geral, a pérola é um símbolo lunar e feminino ligado à lua, à água e a mulher.

Símbolo de uma ordem análoga: o das pérolas enfiadas em um cordão, é o rosário, o SUTRATMA, a cadeia dos mundos, penetrados e unidos por ÁTMA, o espírito universal.

Assim o colar de pérolas ou a pulseira simbolizam a unidade Cósmica do Múltiplo, a integração dos elementos dissociados de um ser na unidade da pessoa, o relacionamento espiritual de dois ou mais seres.Simboliza a superação dos instintos, a espiritualização da matéria, a transfiguração dos elementos,  o termo brilhante da evolução.

Anel: É o símbolo do poder de domínio espiritual e material.

Manto: Símbolo da proteção.

Braceletes e pulseiras: Simbolizam a unidade, a perfeição ( por ser um círculo, retrocede para si mesmo).

 

POSTURAS    (ásanas)

Estas posturas são necessárias para manter e conservar o corpo físico em condições ideais, já que o mesmo serve como um templo, ou mesmo como um estojo de proteção aos corpos sutís. A saúde física também é necessária para obtenção de um conhecimento superior e de um desenvolvimento mais profundo. As posturas físicas dentro das práticas de Suddha Raja Yoga,têm por finalidade o aprimoramento e o perfeito domínio do corpo físico, através de uma prática constante e natural, sempre coordenada e dirigida pela mente, pois só desta forma se poderá atingir objetivos profundos e mais elevados.

 Yoga –Devi está sentada na postura chamada: SIDDHASANA ou Postura da Perfeição, postura que leva à libertação.

Yoga-Devi  está representada aqui , também, com quatro braços.

Na mão esquerda (para o alto)  , Ela segura uma flor de lótus fechada que simboliza a totalidade de todas as possibilidades ainda não manifestadas. É também símbolo  do coração do homem.

Na outra mão ( para o alto), Ela segura um  Japa -Mala que é usado na entoação dos Mantras.

O som dos Mantras harmonizam as vibrações da aura e dos átomos físicos. Este som representa o Ekáskshara, o som básico do ser vivente e que é necessário atualizar para despertar os sentidos da alma.

Esses gestos com as mãos são chamados MUDRÁS.

Do lado esquerdo, a mão para baixo, com todos os dedos estendidos, a palma para frente, é chamado de VARADA-MUDRA. Yoga -Devi em seu aspecto  Kali (aspecto feminino de Shiva ), destrói os elementos não permanentes do universo; indica também que a Deusa está preparada para lhe satisfazer um desejo, ou lhe conceder bênçãos; com esta mesma mão Ela apóia a Yoga- Danda (bastão de poder).

Do lado direito, a mão levantada, com os dedos estendidos, palma para a  frente, é chamado ABHAYA- MUDRA. Esse mudra livra do medo e protege aqueles que invocam a Mãe Cósmica, indica também benção e confiança.

Os mudrás ABHAYA e VARADA, representam respectivamente a pacificação espiritual e o dom do conhecimento; o primeiro, ABHAYA, é acima de tudo efetuado pela mão direita, o segundo, VARADA, pela mão esquerda.

 

CORES

Rosa, alaranjado, amarelo-ouro (dourado)-já foram comentadas.

Verde: indica saúde e vida, o verdor dos campos, o vigor das árvores com suas flores e frutos, a abundância do sustento diário dos seres.

Cor da renovação anual da natureza, é a cor da esperança, da longevidade e da imortalidade. O verde, mediador entre o calor e o frio (amarelo e azul), o alto e o baixo. É uma cor tranqüilizadora, refrescante, humana. Representa o despertar das águas primordiais, o despertar da vida. O verde dá uma impressão de repouso terreno e de contentamento consigo mesmo.

Violeta: é a cor intermediária entre o vermelho e o azul. O violeta simboliza a mediação, o equilíbrio (entre o céu e a terra, entre o espírito e o corpo, entre o amor e a sabedoria), a medida e a temperança.

Profa. Margareth Gonçalves (Devidasika)

Praticante e estudiosa de Suddha Raja Yoga desde 1974, Gnana Dhatha (Sacerdotisa) da Suddha Dharma Mandalam, recebeu o título honorário em 2004 de Ashrama Acharya (Instrutora) reconhecido pelo Conselho Mundial de Yoga. Yogaterapeuta especializada em Psicologia do Yoga, também capacitada em outras técnicas como: gemoterapia, florais, reiki, cromo e laya yoga. Fundou em 1994 o Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala.
suddha dharma, yoga, meditação


Mais Artigos



Mais Colunistas

Contato

Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala

Rua Coriolano, 169/171, São Paulo (próximo ao SESC Pompéia e ao Shop. Bourbon)

Telefone: 11 3862.7321 ou WhatsApp: 11 94748.9690 Email: atendimento@naradeva.com.br