Acesso exclusivo do aluno

Artigo detalhe

 

O que é A.U.M.?

por Profa. Margareth Gonçalves (Devidasika)
08/05/2012

O Aum – frequentemente citado como Om – se tornou uma palavra mais do que comum nas meditações, porém muitas vezes utilizada sem qualquer critério e sem o conhecimento real do seu significado.

Dificilmente poderíamos dar explicações resumidas, principalmente se procurássemos usar palavras adequadas. Tratarei de expor a importância deste assunto tanto como formação conceptual, como também pêlos efeitos vibratórios, que esta sílaba mística exerce em nossas práticas meditativas.

Sendo o Ser Supremo uma “substância”, que está através do todo e mesmo Ele sendo o todo, permanece mais além de sua manifestação no espaço infinito como imanifestado, onde somente existe a sabedoria e além dela, o Aspecto Sintético Unitário de Deus, representado pela sílaba OM. (aí não existe a condição de Mônada, ou seja, a individualidade). Quando Ele deseja manifestar-se (dia de Brahman), torna-se múltiplo e milhões de fragmentos. Dele mesmo tomam sua individualidade, surgindo o primeiro componente do pranava AUM, representando então o Espírito do ser.

Pela junção entre Espírito e Energia, (shakty Divina) surge à matéria constituindo finalmente aquilo que é chamado de manifestação. Quando acontece a manifestação, o Parabrahman constitui a mesma e permanece na não manifestação, porque Ele (Parabrahman)  é o todo , é o Uno(podemos também dizer que é o tudo e o nada). O ideal da vida evolutiva do ser, é a aproximação eterna ao Parabrahman, que habita em cada um de nós e também  no espaço infinito. O primeiro aspecto de manifestação tripla é:

(A) – Primeira letra
Espírito, Para nossa maior compreensão o chamaremos de Principio de Vida. Este principio de vida se manifesta, segundo seja o veículo ou envoltura em que se encontre. Assim é chamado PURUSHA, quando o corpo ou kosha é o Ananda-Maya ou veículo de Luz. É PARAMATMA, quando a envoltura é Vignana-Maya ou veículo do conhecimento. É ATMA, no Manomaya-Kosha ou veículo dos pensamentos. YIVATMA, no Pranamaya-Kosha ou veículo de vitalidade e por último é chamado AKSHARATMA no corpo denso ou físico, no Annamaya-Kosha, que é constituído por alimentos. Também o estado de consciência é diferente em cada uma das envolturas com que se reveste o espírito e que são segundo ele  mesmo segundo a ordem anterior:

Turiyatita
Swapna (estado de sono)
Turiya (samadhi)
Yagrat (vigília)
Sushupti (sono profundo)

As envolturas com que se revestem  o Principio de Vida, podem  ir se solidificando, segundo seja o progresso  obtido no caminho evolutivo, e quando o ser por seus méritos, já não está obrigado a voltar a reencarnar neste denso mundo físico.

(U) – Segunda Letra
Matéria Raiz ou Mula-Prakriti (evolução cósmica)

A matéria raiz ou Mula-Prakriti está modificada em Sete Raios ou Reckas, (como é chamado no hinduismo). Pelas variadas funções destes diferentes raios estão constituídos os sete mundos externos ou Lokas da cosmogonia. É manejada por grandes sábios chamados Sikandis. Doam a matéria para encarnações de Avatara-Purushas e constituem a matéria que é sublimada dos 24 tatwas (elementos dos corpos astrais). Os sete mundos externos ou Sapta-Lokas, de onde provem o Princípio de Vida segundo seu estado evolutivo são:

a) PRANAVA-LOKA: É o grande mundo constituído por Mula- Prakriti ou Matéria –Raiz, e permanece como OM. Ë o assento de Brahm (Deus), formado de luz divina.
b) NADA-LOKA: É o lugar onde moram  Maha- Brahma, Maha-Vishnu e Maha- Shiva. Está caracterizado por: Existência em plenitude (SAT), consciência suprema (CHIT) e luz (ANANDA).
c) BINDU-LOKA: É o assento de Brahma Shakty  (energia feminina), de Brahma (criador), Vishnu (mantenedor), Shiva (renovador).
d) SABDA-LOKA: Akasa (éter)
e) NIRMALA-LOKA: Prana (ar)
f) MAHASUDDHA-LOKA: Tejas (fogo)
g) SUDDHA-LOKA: Apas (água)
h) PRITHIVI-LOKA: Prithivi (terra)

Estes sete Lokas ou mundos formados pêlos raios, estão relacionados com uma quíntupla disposição material do Cosmos, quer dizer:

ANANDAMAYA, VIGNANAMAYA, MANOMAYA, PRANAMAYA e ANNAMAYA KOSHA.

Há uma íntima relação entre os planos ou mundos do universo e das envolturas do ser. Os mundos que são formados desde a letra (d) até a letra (h), são setenárias, sendo os da terra os seguintes:

BHU, BHUVANA, SUBHAHA, MAHAR, JANA, TAPA, SATYA (e é exatamente aqui que se formam os sete raios de evolução do  ser humano, mais conhecido aqui no ocidente como EL MORYA , SAINT GERMAIN, HILARION, ETC...... Então dá para se perceber que Fraternidade Branca Universal não é somente os sete raios evolucionantes para nós, estes são “simplesmente” o desdobramento de um complexo muito maior de departamentos onde atuam os Mestres dessa Fraternidade. Todos governados por excelsos seres, preocupados em nos passar sabedoria, mante-la e destruir os obstáculos para o conhecimento da Yoga Brahma Vidya ou Ciência Sintética do Absoluto).

PRAKRITI
Prakriti (evolução humana): Esta matéria está constituída pêlos 24 elementos atômicos chamados Tatwas; formam a base estrutural dos cinco corpos ou envolturas (koshas), com que se envolve o princípio de vida, ou seja, o mundo interno do ser. Estes tatwas por sua vez, estão agrupados segundo seja o plano em que tenham sua origem. Primeiramente está a matéria do AVYAKTA TARWAKUTA ou corpo de yoga, é matéria indiferenciada, quer dizer, seu estado é de Unidade Eterna, é a origem do todo.

Em seguida está MAHAT TATWAKUTA; é a primeira manifestação da matéria, origem de tudo que é criado. Aqui reside a força chamada Buddhi ou intelecto.

MANAS TATWAKUTA; é o corpo de emoções ou morada da mente.

INDRIYAS TATWAKUTA; Grupo do conhecimento.....

Órgãos sensoriais: (gnanendriyas): olhos, ouvidos, nariz, língua, pele.

Órgãos da ação (karmendriyas) boca, mãos, pés, órgãos reprodutores, órgão excretor.

Cinco Mahabutas ou elementos primordiais: terra, água, ar, fogo, e éter. E suas qualidades Tanmatras: visão, audição, olfato, sabor e tato. É exatamente aqui que acontecem os fenômenos mediúnicos, sendo assim, fica claro que não existe paranormalidade, são fenômenos totalmente normais, todas as pessoas os possuem; o que acontece é que as pessoas que já trabalham com a mediunidade, têm seus Tanmatras desenvolvidos, ou seja, não são acontecimentos do além, e sim, acontecimentos perfeitamente naturais provenientes da constituição dos nossos corpos etéricos.   Esse mediunismo é chamado na Índia de Siddhis, ou seja, poderes.

O Ahankara, que é o conceito do eu e constitui a individualidade, é o 24° TATWA, compenetra os quatro grupos e domina especialmente o grupo Manas (mente). É a árvore da qual provém o Yagrat ou Manifestação alternante.

(M) - TERCEIRA LETRA
O outro aspecto do pranava OM é o da SHAKTY ou Energia Divina, serve de ligação entre o Espírito e a Matéria e é representada pela letra M, dando dinamismo a ambos (matéria e espírito), já que  sozinhos, são estáticos. Esta energia que é BRAHMA-SHAKTY (energia feminina) translada o incognicível Brahman (deus imanifesto), ao conhecível universo manifestado (yagat). Esta energia é tripla:

a) DEVI-SHAKTY: É a união com o Paramatma (Narayana) funciona naquilo que está relacionado com a criação, conservação e convergência do universo.

b) ESHA-SHAKTY: É desta energia a constituição das Encarnações Divinas (avataras purushas) que descendem de tempo em tempo para proteger as leis divinas.

c) GUNAMAYA-SHAKTY: É a energia com que funcionam os seres humanos. Ela segue em duas direções: Atma-Para e Prakriti-Para. A primeira de tendência espiritual e a Segunda de tendência material.

O aspecto Prakriti-Para da Gunamaya-Shakty é conhecido como as três gunas ou qualidades da matéria. SATWA (inteligência), RAJAS (ação), e TAMAS (inércia). São as leis que nos ligam à matéria e que nos fazem escravos da mesma.

O aspecto ATMA-PARA é de transcendência espiritual e é regido pelas três ATMA-SHAKTYS do conhecimento, desejo e ação.

Como podemos perceber, a manifestação é composta por A Espírito, U Matéria e M Energia, têm sua origem no Parabrahman ou Deus único e transcendente. Esta matéria é diferenciada com o objeto de que possamos compreender, e apesar da multiplicidade existe uma eterna união, formando um só corpo cósmico. Nossa finalidade é chegar a compreendê-la e conhecê-la. Com o devido conhecimento  e as práticas meditativas do sistema de Suddha Raja Yoga, que é a síntese de todas as modalidades de yoga, poderemos acrescentar nossa consciência, que se traduzirá  em um acréscimo cada vez maior ao mérito de contatar com o Supremo Espírito de Deus; este contato será de eterna aproximação a ELE ( BRAHMA- SAMIPYA). Segundo os Mestres de Sabedoria, este acervo de conhecimentos será sempre coroado de  maior sabedoria e  luz indescritível.

Profa. Margareth Gonçalves (Devidasika)

Praticante e estudiosa de Suddha Raja Yoga desde 1974, Gnana Dhatha (Sacerdotisa) da Suddha Dharma Mandalam, recebeu o título honorário em 2004 de Ashrama Acharya (Instrutora) reconhecido pelo Conselho Mundial de Yoga. Yogaterapeuta especializada em Psicologia do Yoga, também capacitada em outras técnicas como: gemoterapia, florais, reiki, cromo e laya yoga. Fundou em 1994 o Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala.
suddha dharma, yoga, meditação


Mais Artigos



Mais Colunistas

Contato

Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala

Rua Coriolano, 169/171, São Paulo (próximo ao SESC Pompéia e ao Shop. Bourbon)

Telefone: 11 3862.7321 ou WhatsApp: 11 94748.9690 Email: atendimento@naradeva.com.br